sábado, Novembro 22, 2014

Enfim...

Sócrates foi detido para interrogatório por suspeita de corrupção. Pode ser sinal que há indícios muito fortes de culpa, de possibilidade de fuga ou de ocultação de provas. No entanto, também é uma jogada de alto risco da justiça portuguesa na medida em que, se Sócrates for ilibado, afundará a credibilidade da mesma. 
Entretanto, a Assembleia da República aprovou a restituição das subvenções vitalícias (ainda que associada a um tímido agravamento da tributação da mesma) após iniciativa encabeçada por José Lello e Couto dos Santos, dois personagens da democracia do pós-25 de abril...
Subvenções vitalícias não são reformas nem pensões...
Enfim...


sexta-feira, Novembro 21, 2014

Sentar-se na cidade do Porto

A cidade do Porto tem carácter e tem história.
Os portuenses saem hoje em dia à rua e frequentam os parques e jardins da cidade com muita mais frequência do que há anos atrás.

Mas nem sempre encontram um local onde se sentarem, seja para descanso, seja para leitura ou para simplesmente apreciarem a paisagem e o movimento.

É possível criar uma dinâmica que permita aos cidadãos envolverem-se eles próprios nesse esforço de dotar a cidade e os seus jardins municipais de um mobiliário elegante e prático onde o portuense e o visitante possa sentar-se e conversar em família ou entre amigos.

Em várias cidades europeias está há muito tempo consagrada a prática de os particulares oferecerem à cidade bancos de madeira mediante a aposição de uma pequena e discreta placa em memória de um ente querido.

Isso permitiria multiplicar o mobiliário urbano sem qualquer despesa para o município e evidente benefício para os citadinos, com as vantagens acrescidas de promover nos munícipes o espírito de pertença ao espaço colectivo, de fomentar a ideia de que a cidade do Porto funciona como elo de ligação entre gerações e de estimular o convívio com a Natureza em meio urbano.
Um banco de madeira, tal como por exemplo o exposto na fotografia junta, é um banco confortável pois tem um encosto ergonómico e apresenta-se numa matéria nobre proveniente da actividade florestal portuguesa.

Um tal programa, patrocinado pelos serviços camarários, obedeceria a regras simples, tais como:

1.    O modelo de banco seria estandartizado e encomendado pelos serviços camarários;


2.    O tipo de placa evocativa seria igualmente estandartizado e fornecida pelos serviços camarários; o texto seria igualmente estandartizado (por exemplo “em memória de...”) apenas mudando o nome da pessoa evocada;


3.    Toda a despesa de aquisição do banco, aposição da placa e colocação/fixação pelos serviços municipais do banco no jardim ou passeio público ficaria a cargo do munícipe; o município assumiria tão só as eventuais despesas de manutenção, acaso existissem, por um prazo máximo de 15 anos;


4.    A localização do banco seria determinada pelos serviços municipais, tomando tanto quanto possível em consideração, mas não obrigatoriamente, os desejos manifestados pelo munícipe requerente; este teria, todavia, o direito de desistir do seu pedido no caso de discordar totalmente de qualquer uma das localizações propostas pelos serviços municipais;


5.    O requerente deveria demonstrar um laço de parentesco com a pessoa evocada ou um outro fundamento aceitável para uma tal evocação. Competiria aos serviços municipais apreciar o pedido e a sua adequação aos padrões de dignidade e valores democráticos e históricos da cidade.

No dia 3 de Novembro solicitei audiência ao Sr. Vereador Dr. Filipe Araújo para lhe poder apresentar esta ideia e fornecer documentação sobre experiências deste tipo em várias autarquias europeias. Esse pedido foi registado sob o n° I/187161/14. Continuo a aguardar uma resposta mas não acredito que uma vereação que defende a cidadania e a proximidade e escuta dos seus eleitores se recuse a conceder 10 minutos de entrevista a um munícipe. Vamos esperar.


quinta-feira, Novembro 20, 2014

Já rola a campanha para a distrital do Porto do PSD


Celso Ferreira, um dos candidatos, diz aqui :

- "o Porto foi ultrapassado por outros distritos" na dinâmica económica social e económica do país.



Virgílio Macedo, o outro candidato, por seu lado, assume não querer que o Porto seja “uma nova Lisboa centralista”.

Aguarda-se uma campanha esclarecedora.

2° Novo Postal de Pequim


Na esplanada da universidade onde ensinou literatura e onde ainda tem o seu escritório , o Prof Zha , guarda vermelho quando estudante de liceu e manifestante na praça Tian An Men em 1989, explica -me : “Quando nos referimos aos detentores de poder na China, importa distinguir entre a Segunda Geraçao de Vermelhos (Hong Er Dai) e a Segunda Geraçao de Ricos (Fu Er Dai) .Estes são os os dois grupos  da sociedade únicos detentores do poder politico e económico “. E insiste:
“Mas a Segunda Geração de Vermelhos, geralmente designados como “princelings” (pequenos principes) , filhos de dirigentes da  primeira geração do partido comunista, heróis da revoluçao, são em ultima instancia os únicos verdadeiros detentores do Poder.”

Por isso , quando na recente reunião plenária do comité central do partido comunista , as resoluções apelam à reformulação do sistema judiciario e insistem no combate à corrupção, parece oportuno analizar o caminho percorrido pelo partido desde a condenação o ano passado de Bo Xilai , “princeling” , filho de herói da revolução ,e antigo dirigente do partido em Chongqing. 
Desde a sua condenação nenhum outro “princeling” foi perseguido ou condenado por corrupção.

Bo Xilai foi o unico. Qual a razao? Muito simplesmente, foi o unico entre os princelings que fez campanha e  se propos ao cargo hoje ocupado por Xi Jinping: Presidente da Republica!

Proibir aos membros do partido o jogo do mah-jong, os hoteis de cinco  estrelas, ou jantares nos restaurantes mais luxuosos de Pequim,Shanghai ou Chongqing, e procurar assim mostrar à grande massa da população chinesa a vontade  por parte do grande dirigente  Xi Jingping, de combater os excessos da corrupção parece ser uma resolução  necessária e bem aceite por toda a população. Para além de ser uma resolução que se impôs  como essencial para a sobrevivência do partido.
No entanto, ninguém na China tem muitas ilusões sobre os resultados e objectivos de todo esta campanha e do combate à corrupção anunciado pelos altos dirigentes do partido.

Pois ,muitos sabem decifrar  o objectivo principal para além desta campanha : Manter o poder nas maos do pequeno grupo de dirigentes ligados à primeira geração de vermelhos, isto é manter o poder na mao da Segunda Geraçao de Vermelhos.

Dois exemplos ilustram bem a relatividade dessa campanha tao anunciada pelo Presidente Xi Jinping nos seus discursos:

Numa conversa com um membro de uma NGO que ensina jornalismo a redactores de jornais oficiais, este mesmo referiu-me como se admirara dos salarios extremamente ridículos que recebiam . Face ao seu espanto um redactor explicara-lhe : “ O salário que recebemos é suposto ser completado com os “envelopes “que somos suposto ir recebendo no decurso do trabalho que fazemos para o jornal !” 

Recentemente os jornais anunciaram a tentativa de compra do hotel Waldorf Astoria em Nova Iorque pelo grupo de Seguros Anbang, . Ora este grupo tem como dirigente principal  um membro da familia de Deng Xiaoping. 

A pergunta que o Prof.Zha e muitos outros se fazem é a seguinte: “Mas donde lhe vem todo esse dinheiro que lhe permite fazer esta compra?”

Maria
Novembro 2014

terça-feira, Novembro 18, 2014

Labirinto ou talvez não

O processo denominado pela PJ por "Labirinto" tem estado na berlinda.
Revolta-me sempre que a comunicação social dá por culpados aqueles que ainda não foram julgados nem condenados pelos Tribunais.
O julgamento efectuado e instigado pela comunicação social é o pior de todos. Na verdade, os processos mediáticos geram condenados para todo o sempre, pois  mesmo que em sede judicial venham a provar a sua inocência, na prática, jamais deixarão de ser considerados culpados pela opinião pública.
O cidadão comum instigado por uma comunicação social sedenta de "sangue", rapidamente, dá a sentença - são "culpados", são uns "malandros", "prisão com eles" - e, se no âmbito do processo forem absolvidos - então o diapasão é o de que a justiça não funciona e que os "ricos" safam-se sempre.
Se um dia, um qualquer desses cidadãos tiver a "sorte" de ser visado num processo crime, certamente, que dirá o contrário.
Não conheço nenhum dos visados no processo labirinto.
Não conheço o teor do processo (excepto aquilo que é veiculado pela comunicação social).
Se os mesmos tiverem prevaricado devem ser julgados e condenados, caso contrário, devem ser absolvidos e até à decisão final devem ser tratados como presumíveis inocentes que são.

Mas as seguintes passagens transmitem bem a complexidade e gravidade da coisa:

- o funcionário do SEF terá, alegadamente, recebido 2 garrafas de vinho das propriedades do arguido presidente do IRN;
- as Secretas portuguesas são vigiadas pela PJ e não se apercebem que estão a ser vigiadas.

...a bem da Nação!!!!

Postiga vrs Nogueira

A propósito do jogo de hoje, por ter ouvido, na TSF, Bruno Nogueira lembrei-me que Nogueira está para o humor como Postiga para a bola.
 
São esforçados, respeitam os cadernos de encargos, mas não dá! Não vale a pena insistir. Nem se percebe o motivo.
 
Façam-nos um favor: nem para o banco!
 
Ainda assim, na verdade, talvez Postiga esteja um "furito" acima de Nogueira.
 

domingo, Novembro 16, 2014

CREU

 
 
Vale a pena saber mais sobre o Centro Universitário Católico que tem marcado, positivamente, tantas pessoas.
 
Aqui podemos perceber melhor este, notável, trabalho dos Jesuítas no Porto.
 
Na festa de hoje, na Missa das sete em Cedofeita, D. António Francisco,  Bispo do Porto, a propósito da parábola dos talentos, elogiou e incentivou o Centro de Reflexão e Encontro Universitário que tanto tem feito por multiplicar os bons talentos.
 
Parabéns, pois, ao Creu pelos seus 25 anos!




Douro reina na Wine Spectator


http://2014.top100.winespectator.com/

quinta-feira, Novembro 13, 2014

Por um país livre


Não me importo nada de subscrever o que hoje escreve Francisco Assis no Público: o comunicado do PCP sobre os 25 anos da queda do muro de Berlim é bem revelador da natureza fascizante, opressiva e revisionista da História que caracteriza aquela agremiação.
Para o PCP, o bloco soviético era o melhor dos mundos e o seu desmoronamento terá sido um desastre.


Mas há uma afirmação de Assis que não acompanho: a de que aqueles comunistas portugueses não andam a enganar ninguém. Não é verdade! No meu entender, o aspecto respeitável do Sr. Jerónimo de Sousa, as respostas prontas dos seus deputados e o discurso melífluo alegadamente em defesa dos trabalhadores engana muitos incautos que não se apercebem de que o poder nas mãos daquela gente transformaria o país num Estado policial cuja primeira vítima seria a liberdade. 

terça-feira, Novembro 11, 2014

Os vampiros


Há no pacote de taxas Costa o mais sério aviso a quem candidamente admitiu a possibilidade de o ver um dia como Primeiro-Ministro. 
Como ponto prévio, apresentou o orçamento municipal escandalosamente fora de prazo e subiu impostos desnecessária e estupidamente. Incompetência e más decisões.
Quem viu com olhos de ver a sua traição a Seguro, a tropa de que se fez acompanhar no assalto ao PS e o despudor com que permite que os seus amanuenses enalteçam Sócrates e o seu glorioso passado, não estará propriamente surpreso. 
Podia racionalizar o funcionamento da Câmara de Lisboa, apinhada de amigos, compadres e camaradas. 
Podia acabar com os subsídios fora da lei, como o que deu sem vergonha à fundação do amigo Mário Soares. 
Podia, gerindo bem, começar a tapar os inúmeros buracos de todas as ruas da capital e resolver os problemas crónicos do lixo em Lisboa. Quanto às cheias, já decretou que não há solução...
Enfim, Costa confirma mais uma de entre as piores suspeitas no que toca  ao socialismo luso: Está a crescer? Taxa-se! Quando estiver finalmente a dar prejuízo, subsidia-se!
Os ricos de que Costa gosta, são os que de algum modo vivem na dependência do estado, seja pela empreitada, o fundo ou o subsidio. São cúmplices do amo e vampiros do povo contribuinte.
Quanto à criação de riqueza na economia real, daquela que ajuda o país a andar para a frente, que cria empregos sustentáveis; como deve menos ao Estado e a quem nele manda em cada momento, há que taxar, dissuadir, tolher!
Um dos males desta aristocracia jacobina que se imagina dona do país por direito natural é, como mais uma vez se comprova, uma infinita falta de pudor.
Que sirva ao menos para abrir os olhos ao povo.

segunda-feira, Novembro 10, 2014

O nosso umbigo

Os Estados Unidos, a China, o mundo muçulmano e a Rússia, por diferentes motivos, com diferentes objectivos, já deixaram bem claro a consideração que têm pela Europa por pensamentos, palavras, actos e omissões. 
Na Europa, ofendemo-nos com o desinteresse americano, criticamos o protagonismo chinês, tentamos compreender as raízes profundas do ódio muçulmano e não levamos suficientemente a sério a permanente ambição imperialista da Rússia.
Em síntese, vivemos na persistência do erro que, por exemplo, no passado levou à queda da China imperial. O eurocentrismo do século XXI corresponde ao cinocentrismo do século XIX. O mundo não quer saber das ambições autoritárias de Merkel, do desnorte patético de Hollande ou do populismo irresponsável de Cameron. O mundo terá em conta uma Europa que fale a uma só voz com coesão interna, que detenha um sistema de defesa comum articulado e eficaz, que se assuma como um bloco estrategicamente uno, actuante, virado para o mundo. Tudo o resto, lembra em demasia os Imperadores do oriente oitocentista.


domingo, Novembro 09, 2014

Café do molhe

                                 
                                                             Perguntavas-me
(ou talvez não tenhas sido
tu, mas só a ti
naquele tempo eu ouvia)

porquê a poesia,
e não outra coisa qualquer:
a filosofia, o futebol, alguma mulher?
Eu não sabia

Que a resposta estava
numa certa estrofe de
um certo poema de
Frei Luis de Léon que Poe

(acho que era Poe)
conhecia de cor,
em castelhano e tudo.
Porém se o soubesse

de pouco me teria
então servido, ou de nada.
Porque estavas inclinada
de um modo tão perfeito

sobre a mesa
e o meu coração batia
tão infundadamente no teu peito
sob a tua blusa acesa

que tudo o que soubesse não o saberia.
Hoje sei: escrevo
contra aquilo de que me lembro,
essa tarde parada, por exemplo.

                                                    Manuel António Pina

sexta-feira, Novembro 07, 2014

O Estado e o euromilhões


Se os meus cálculos não estão errados e as minhas informações estão correctas, o Estado recebeu 18 milhões de euros porque um português acertou num prémio do euromilhões. Ou seja, aquela lotaria não saiu apenas a um felizardo de Castelo Branco: o erário público arrecadou uma maquia sem nada ter apostado. Eu diria que se trata de um caso de dupla tributação, visto que já pagamos imposto no momento da aposta, mas seja.

O que eu gostava de saber é que destino vai o Estado dar a tal montante?
Vai cobrir as despesas do gabinete de um ministro? Vai pagar mais umas viagens ao Dr. Paulo Portas? Vai subsidiar os partidos? Confesso a minha ignorância, mas o que julgo saber é que nem um tostão vai apoiar a Cultura, seja a subvenção de uma orquesta, a contratação de professores para os Conservatórios, o enriquecimento de uma biblioteca ou o programa de aquisições artísticas de um museu nacional.

Em Inglaterra os proventos das lotarias revertem em 40% a favor da cultura (Arts and Heritage) e é graças a isso que os museus britânicos se podem orgulhar de renovarem regularmente as suas colecções e assim manterem um público interessado. Em Portugal exportamos Mirós porque o orçamento não tem um ou dois milhões para licitar um ou dois quadros. Ora parecer-me-ia mais que justo que quando o Estado é desta forma indirecta assim premiado fosse suficientemente transparente e lúcido para agarrar a oportunidade e valorizar, pelo menos numa parte do ganho, o património artístico da Nação.


E já agora, que o fizesse tendo em conta o país real, pois isso de concentrar na capital 10 museus nacionais, salpicando o resto do território com uns outros escassos e pobres seis é tique que merece uma acirrada crítica. Estarei a ver mal?

quinta-feira, Novembro 06, 2014

PT... ou talvez não!

Sem querer julgar intenções, para o que não me sinto qualificado, queria apenas lembrar aos mais atentos, e alertar os mais distraídos, que esta ideia de que o Governo, ou as Autoridades, ou quem quiserem, se devem preocupar com o accionariado da PT é que trouxe a empresa aonde ela hoje se encontra.

A mim, pessoalmente, preocupa-me esta devoção que o Terreiro do Paço tem por manter "centros de decisão" e outros eufemismos semelhantes para preservar os empregos dos filhos... Sim, porque quanto ao resto estamos conversados. Se não vejamos.

A Sonae quiz comprar a PT. Tinha um projeto na área de negócio da empresa. Tem centro de decisão nacional e maioria de capitalistas nacionais. Pretendia eliminar o que via como impedimento ao seu próprio crescimento no setor, e assim desenvolvê-lo. Foi impedida com argumentos espúrios, para promoção de uma suposta concorrência. Felizmente, dessa inviesada decisão resultou a ZON que hoje está com a Optimus na NOS, e bem, aparentemente...

Já a PT, continuou subordinada ao Terreiro do Paço, nas mãos dos seus capitalistas e ao serviço da família que ensinava o padre nosso ao vigário... até ao descalabro. Com o nosso dinheiro. E a conivência distraída das nossas instituições de fiscalização, supervisão e outros "ão" que por aí adivinhamos.

A mim o que me preocupa na PT não é saber quem são os seus capitalistas. Prefiro que a empresa esteja em bolsa, porque acredito no capitalismo popular, mas se não for possível, enfim. Gostaria que Portugal tivesse capitalistas com capacidade para controlarem empresas da dimensão da PT, mas enfim...

O que me preocupa é saber se a função da PT, prestar serviços de comunicação, é desempenhada no RESPEITO DA LEI e do interesse nacional (respeito da concorrência, das regras de mercado, da qualidade de serviço, etc).

E já agora, que o Legislador nacional seja capaz de interpretar esse interesse nacional no sentido de proteger o centro de investigação e desenvolvimento da PT em Aveiro e a sua exemplar colaboração com a Universidade da mesma cidade. Quanto ao mais, apenas desejo que não sejam os trabalhadores portugueses da PT os que acabarão por pagar os desmandos de governantes e capitalistas preocupados com a preservação de centros de decisão e outros critérios anti-económicos e opacos de gestão de empresas!!!

quarta-feira, Novembro 05, 2014

Irritação moderna




Hoje não me ocorre nada sobre felicidade feminina moderna, mas um montão de coisas sobre irritação, técnicas de venda agressivas e abuso. A fotografia acima reproduzida dá conta do número de chamadas que recebi ontem desde as 12.54 às 15. 39, isto sem fazer a conta a todas as outras que se seguiram ao longo da tarde. O número não está identificado mas pertence à Meo, como tive ocasião de constatar pela primeira chamada que tive o desprazer de atender. O vendedor, que usou aquela técnica de abordagem de que gosto particularmente dada a cacofonia que induz no meu aparelho auditivo, disse: D. Maria Faria podemos conversar? Ao que eu respondi, tá bem, mas depois arrependi-me. Queria vender-me uma pen de internet, que não me faz falta nenhuma. E o que esclareci cordatamente. Mas ele insistiu. Que me ia voltar a contactar. O que fez. Sobejamente ao que se vê. Confesso que não sei que utilidade pretende retirar um vendedor do uso de uma técnica tão agressiva. Nem vejo como o treino de pessoal pode dar resultados tão fracos. O que sei é que estou irritadíssima, e que nunca, mas nunca, em caso algum, vou comprar à Meo uma pen de internet!